Taxonomia de Bloom e digital learning

Benjamin Bloom, um psicólogo americano especializado em pedagogia, propôs em 1956, com um coletivo de acadêmicos, um repositório para classificar os objetivos de aprendizagem da área cognitiva em seis níveis, dos mais simples aos mais complexos, a taxonomia de Bloom.

Taxonomia de Bloom – 1956

Origens e definição

Este repositório tem como objetivo oferecer aos professores e formadores uma ferramenta para localizar o nível de desempenho do aluno, incluindo fazer perguntas simples.
Mesmo sendo aplicada na França dentro dos padrões nacionais de educação, ou no ensino superior, é mais usado no K12 americano.
Para alguns, o vínculo hierárquico sequencial entre as seis categorias inicialmente identificadas por Bloom e seus colegas nem sempre é óbvio, especialmente nos últimos três níveis. Assim, uma versão revisada da taxonomia de 1956 foi proposta por Lori Anderson e David R. Krathwohl em 2001, com ênfase na abordagem baseada em competências.

50 anos após a morte de Martin Luther King, vejamos um exemplo dessa taxonomia revisada, associada a perguntas para identificar o nível de desempenho dos alunos em matéria de discriminação racial nos Estados Unidos.

Por que e como usar a taxonomia de Bloom?

Nem sempre é fácil definir objetivos pedagógicos claros, embora esta definição seja essencial e mesmo imperativa na aprendizagem à distância, durante a qual o formando / aluno gozará de um elevado grau de autonomia. O uso da taxonomia de Bloom permitirá que a ação do verbo seja capaz de identificar claramente os objetivos do caminho de treinamento em que os alunos participam.

Podemos, portanto, aproveitá-lo para identificar os objetivos educacionais de um curso usando o verbo de ação associado às 6 categorias, mas também para fazer perguntas aos alunos, a fim de definir seu nível de aquisição (cf. exemplo acima).

Se tratando de educação ou formação profissional, propomos também regularmente atividades que avaliam os processos cognitivos de níveis baixos (primeiros 3 níveis da taxonomia de Bloom). Para avaliar e trabalhar os seguintes processos, é necessário propor atividades dos tipos dissertação, debate, abordagem do design thinking, oficina de criação, …

Tendo em mente a taxonomia, podemos ter certeza de contornar as necessidades cognitivas para um melhor aprendizado e propor um caminho educacional progressivo e completo.

O ressurgimento de testes rápidos e fáceis de analisar, como Questões de Múltipla Escolha, é na verdade um obstáculo ao desenvolvimento do pensamento e raciocínio individual.

As capacidades de análise, avaliação e síntese são suficientemente estudadas na formação e nas aulas?

Ultrapassar os limites do aprendizado digital com o aprendizado Blended

Se nos referirmos à definição e às aplicações da taxonomia de Bloom em sua versão revisada, rapidamente identificamos os limites apresentados pela aprendizagem digital e o interesse de usar dispositivos híbridos (Blended learning).

As atividades propostas em dispositivos digitais são muitas vezes limitadas a avaliações adaptadas a processos de primeiro nível: organizar, definir, duplicar, rotular, listar, memorizar, nomear, ordenar, identificar, vincular, recordar, repetir, reproduzir …
No entanto, a tecnologia digital pode ser usada para desenvolver atividades de análise e síntese durante o treinamento presencial, bem como a aprendizagem à distância, fomentando a troca e raciocínio de alunos/colaboradoes, seja com ferramentas de comunicação síncronas ou assíncronas, atividades de avaliação pelos pares ou a produção de recursos por estudantes / formandos, em grupos ou em trabalhos individuais.

 

Tactileo

Maskott

Rua Sena Madureira 151 - sala 1109
Vila Clementino
CEP:04021-050 São Paulo / SP
www.maskott.com

Login access

Contato

contato@maskott.com
11 3578-9348

Redes sociais

Tactileo 2017 by Maskott

© 2017 Tactileo by Maskott - All rights reserved